Projeto de revitalização urbana para a comunidade pesqueira é apresentada em Niterói

Proposta para o Canto de Itaipu foi realizada com metodologia de construção coletiva

O Canto de Itaipu, região com tradição pesqueira do município de Niterói, ganhou, nesta sexta-feira (5) um projeto executivo com indicações para a revitalização urbana, instalações para o exercício da pesca e de preservação do meio ambiente e do patrimônio histórico. A proposta final foi apresentada aos moradores pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) no Museu Arqueológico de Itaipu.

Com o custo R$ 631 mil, o projeto foi elaborado pela empresa Campo Arquitetura ao longo de 12 meses e contou com a participação ativa dos moradores, comerciantes e pescadores do local. Ao todo, foram realizadas 23 reuniões onde as deficiências e sugestões para a melhoria do bairro foram debatidas em conjunto com instituições do Governo do Estado, Prefeitura de Niterói e o Governo Federal. Duas mil pessoas serão beneficiadas pelas intervenções. 

– De toda a minha trajetória política, é a primeira vez que vi um projeto ser construído de forma coletiva. Todos deram a sua sugestão. Quero agradecer a todos que participaram. Em agosto, seguirei para Brasília a fim de captar recursos para obra junto ao governo federal – agradeceu Felipe Peixoto que estima serem necessários R$ 18 milhões para a execução das obras.

Para Eliana Virgílio, 53 anos, presidente da Associação de Moradores e Amigos do Morro das Andorinhas e moradora do local há 45 anos, o projeto vai melhorar a qualidade de vida de todos moradores.

– Gostei muito de ter participado da construção do projeto. Foi a primeira vez que o poder público escutou a nossa comunidade. Itaipu estava muito abandonado. Estou otimista e ansiosa para que as obras comecem logo. Quero ver Itaipu lindo. Itaipu merece! – elogiou Eliana.

O comerciante e também morador do bairro, Jorge Bellas, de seus 50 anos, há 28 administra o Bar do Jorginho na orla. Para ele, o bairro precisa estar mais organizado para ter condições de receber os turistas:

– O sonho de consumo dos moradores do Canto de Itaipu é que o local mantenha sua beleza natural e seja bem cuidado.Queremos ter qualidade de vida, mas também saber conviver com os turistas. Itaipu é um local família e tranquilo. Sinto que todos saíram fortalecidos com este projeto. Itaipu merecia essa atenção especial – explicou Bellas.

Já o pescador Aurivaldo Jose de Almeida, 64 anos, conhecido na comunidade como Barbudo, espera muitas melhorias, inclusive para atividade pesqueira.

– É bem-vindo um projeto que beneficie a pesca. Estivemos esquecidos há vários anos. Queremos respeitar as condições sanitárias e poder garantir um peixe com mais qualidade a quem vem até aqui comprar conosco – afirmou Barbudo.

Entre as recomendações apontadas no estudo estão um novo desenho urbano, recuperação da vegetação nativa, adequações do sistema viário, mobiliário urbano, redes de abastecimento d’água, esgotamento sanitário e drenagem pluvial; sistemas de iluminação pública e coleta de lixo; uma unidade operacional de apoio à limpeza urbana, posto guarda vidas, posto de informação, posto comunitário (que servirão também de apoio à vigilância e segurança), quiosques, banheiros públicos e a instalação de ranchos de pesca, rancho para limpeza e manipulação do pescado e uma oficina de manutenção de barcos, em atendimento às necessidades dos pescadores.

O vice-prefeito de Niterói, Axel Grael, compareceu ao lançamento do projeto.

– Foi um processo de escuta da comunidade e uma ótima oportunidade de inserir de forma responsável os pescadores na sociedade. O projeto tem o apoio da prefeitura e faremos de tudo para que cada meta seja alcançada – afirma Axel Grael.

A população também poderá conhecer o projeto, a partir das 18h, na Festa de Itaipu. Uma maquete, plantas arquitetônicas e ilustrações, que mostram como será o resultado das obras, estarão à disposição do público no estande da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional durante o evento. Técnicos da Secretaria também estarão no local informando os detalhes do projeto.

Após o encerramento da festividade no domingo (7), a exposição seguirá para o Museu de Arqueologia de Itaipu onde ficará aberto à visitação entre os dias 9 e 14 de julho das 10h às 17h, de terça à sexta, e das 13h às 17h no sábado e no domingo.

O Projeto Canto de Itaipu integra o Programa de Apoio à Atividade Pesqueira. Outros três estão em fase de desenvolvimento voltados para as comunidades pesqueiras de Jurujuba (Niterói), Gradim e Itaoca (ambas em São Gonçalo).

Ascom Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional 

Deixe uma resposta

dois + três =

Fechar Menu