Governo do Estado oficializa programa de revitalização de comunidades pesqueiras a São Gonçalo

Contrato com empresa vencedora de licitação foi assinado nesta terça, 25. Em março, serão investidos R$ 5 milhões na urbanização de duas vias

 O Governo do Estado acaba de oficializar o Programa de Revitalização de Comunidades Pesqueiras em São Gonçalo. Já iniciado nos bairros de Itaipu e Jurujuba, em Niterói, o programa – que visa melhorias urbanas e sociais para as comunidades pesqueiras – chega agora ao Gradim. Para tanto, o secretário de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca, Felipe Peixoto, assinou nesta terça-feira, 25, na Escola de Pesca que funciona no bairro, contrato com a empresa Arquos Consultoria e Projetos, vencedora da licitação realizada no último dia 21 para elaboração do projeto executivo de implantação do programa na região. Orçado em R$ 1,6 milhão, o projeto tem prazo de conclusão de nove meses. 

Com um investimento de R$ 5 milhões do Programa de Apoio ao Investimento dos Estados e Distrito Federal (Proinveste) do BNDES, o projeto começa ainda em março, com a urbanização das ruas Manuel Duarte (onde fica a Escola de Pesca) e Cruzeiro do Sul, duas importantes vias do Gradim, que atendem não apenas a comunidades pesqueiras locais, mas também aos estaleiros. O secretário Felipe Peixoto informou que as intervenções de obras de drenagem e asfaltamento serão realizadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) e detalhou parte do projeto.

– Este é um dos maiores investimentos desse projeto urbanístico que vamos antecipar. O restante da urbanização será discutido em conjunto com a prefeitura, órgãos do Estado que atuam no município e a comunidade. Até o fim deste ano, com o projeto finalizado, partiremos para a outra etapa, que é a captação de recursos para o início das demais obras a serem definidas. Depois das duas comunidades de Niterói, decidimos trazer o programa primeiro para São Gonçalo por entender que, juntas, essas comunidades representam 50% do desembarque de pescado no Estado do Rio. Mas queremos contemplar outras comunidades – afirma o secretário, informando que há demanda de levá-lo também para Itaoca (em São Gonçalo), Arraial do Cabo, Magé e Caxias.

Revitalização – O novo projeto beneficiará quase 700 famílias das comunidades do Pica-Pau e Praia do Esso, no Porto Velho; da Favela do Gato (Vila Cassinú) e de área conhecida como Gradim Artesanal (entorno do píer), no Gradim; e da Praia das Pedrinhas, no bairro Boa Vista. Segundo dados da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), vinculada à Sedrap, são desembarcadas no cais do Gradim 12 toneladas de pescado por mês.

Felipe Peixoto destacou ainda a importância do programa para potencializar as atividades econômicas do município, não só na pesca e na indústria naval, mas em outras, como o turismo. Para Juan Flores, presidente da Colônia de Pescadores de São Gonçalo, o projeto reconhece a cidadania do pescador. Já Daniel Freire, representante da Associação de Moradores e Pescadores de Porto Velho e Suas Praias, elogiou a proposta do projeto de ouvir a comunidade. “Nasci e fui criado nesse bairro, e sei quais intervenções urbanísticas são importantes para melhorar a qualidade de vida dos pescadores e suas famílias. Essa oportunidade de poder participar da construção do projeto é muito importante para todos nós”.

Também participaram do evento o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Carlos Ney (representando o prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim); o secretário municipal de Meio Ambiente, Marco Manhães; o diretor de Operação e Conservação Metropolitana do DER-RJ, Aécio Rocha; e representantes de associações de moradores e pescadores da região, entre outros.

O Programa – O Programa de Revitalização da Pesca Artesanal prevê a participação direta da comunidade, órgãos públicos e iniciativa privada na elaboração do projeto executivo, o que acontece por meio de oficinas interativas. É o caso do projeto de Itaipu (o chamado Canto de Itaipu) que, com custo de R$ 630 mil, foi concluído em julho de 2013 e aguarda investimentos para o início das obras orçadas em mais de R$ 10 milhões. A estimativa é que duas mil pessoas sejam beneficiadas na área, que produz 11 toneladas por mês de pescado. Já o projeto de Jurujuba, onde são desembarcadas 245 toneladas de pescado por mês, está em fase de elaboração e é orçado em R$ 1,1 milhão. Vencedor da licitação, o Consórcio Campo-Fábrica tem até junho deste ano para concluir o projeto que vai beneficiar cerca de 800 famílias residentes na Travessa dos Maricultores, nos morros do Lazareto/Cascarejo, Pau Ferro e Morcego/Brasília, e ainda em edificações na Praia de Eva. 

Ascom Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional 

Felipe Peixoto

Durante seus mandatos, Felipe aprovou mais de 100 leis e presidiu importantes Comissões, como a do Foro e Laudêmio e a da Linha 3 do Metrô. Como Secretário de Estado, Felipe foi responsável por inúmeras realizações e projetos que beneficiaram todas as regiões do RJ. 

 Leia mais sobre Felipe

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − 10 =

  • Palavra-Chave

  • Tipo

  • Tema

  • Ano

  • Cargo